Django Livre

imagem de Maza
Enviado por Maza em sex, 01/18/2013 - 10:26

Meu pai é um grande fã do gênero faroeste. Quando em algum momento ele olhava algum filme, depois tentava me relatar o que vira: “tinha os índios e tal, depois encontraram o forte apache, e tinha o pistoleiro x...” no fim das contas eu nunca gostei muito desse gênero, vejam só. Devo ter visto várias partes de filmes de faroeste, mas do início ao fim lembro claramente de Era uma Vez no Oeste (Sergio Leone) e Bravura Indômita (dos Irmãos Coen). Assim, para uma pessoa (falso cinéfilo) que pouco observa e mais lê sobre o gênero, foi com grande satisfação que saí da sessão de Django Livre, o mais novo filme de Quentin Tarantino.

Django Livre nos leva inicialmente para 1858, dois anos antes da Guerra Civil, em algum lugar do Texas. De cara observamos em um plano aberto, uma região árida, quase um deserto inabitado. Aos poucos vamos observando negros acorrentados pelos pés, atravessando quilômetros, quase não aguentando mais ficarem em pé. E em determinados momentos observamos o protagonista-título entre eles (e a trilha sonora de fundo tocando Django, de Luis Enríquez Bacalov). Em uma noite escura e nebulosa, onde apenas a estrela do norte parecia brilhar, o dentista-caçador de recompensas Dr. King Schultz (Christoph Waltz) cruza aquele caminho, tentando comprar um daqueles escravos. As coisas não ocorrem em um clima muito amistoso e Schultz dispara de forma fulminante seu revólver contra os donos daqueles escravos: um morre, outro fica quase que esmagado embaixo de seu cavalo, tendo seu destino decidido por aqueles que eram seus escravos. Dr. Schultz está de olho em Django e o leva com uma condição: temos que encontrar os irmãos Brittle. Encontrar, matar, carregar seus cadáveres e ser recompensado por isso. E Django, terá sua liberdade. E lá pelas tantas as coisas mudam um pouco do previsto originalmente e veremos o negro surrado indo atrás não apenas de sua liberdade, mas de sua esposa amada, a bela negra (e que fala alemão) Broomhilda.

Acusado por alguns de preconceituoso, Django Livre deflagra, através de uma história ficcional, mas com acontecimentos reais, situações extremas de escravidão, de submissão da raça negra para a branca e o quão asqueroso isso pode ser. Mas falar que o filme é preconceituoso é tão somente falar algo de quem não entendeu o filme. Em diversos momentos observamos que está sendo mostrado algo que aconteceu, e não que isso seja o correto ou o ideal. Isso era o cotidiano, o que acontecia naquele período. Nisso, é curioso observar uma das principais características de Dr. King, o caçador de recompensas, através de um crucial diálogo com Django: “Sou contra a escravidão; mas tenho você. Vou usar a loucura da escravidão a meu favor”. O personagem de Samuel L. Jackson, Stephen (a qual pretendo abordar um pouco mais posteriormente), é mais uma prova que o racismo, o preconceito, não é necessariamente da sobreposição de uma raça a outra, mas também de uma raça para com a própria raça, o que se mostra ainda mais sórdido e podre na prática. Outro ponto do longa é a constante inversão de poder que acompanhamos no longa: em diversos momentos observamos Django  conversando ou em cena com Dr. King e o primeiro é o dono completo da situação, até salvando a vida da dupla em alguns momentos. O mesmo podemos dizer de Candie (interpretado por Leonardo DiCaprio) e Stephen (especialmente no momento que Stephen se mostra atento a um possível blefe de Django/King), não observamos em cena a raça negra sendo apenas alvo de atitudes covardes e humilhantes, a submissão não é negra por completa (embora Candie pense o contrário, como podemos observar em uma das cenas mais tensas do longa). Acusar Django Livre de ser preconceituoso/racista por termos dezenas, se é que não centenas de vezes a utilização da palavra ‘nigger’ (crioulo, uma forma pejorativa para negro) é algo tão absurdo quanto descabido. Na prática Tarantino tem noção disso e a tal ‘palavra maldita’ é utilizada também entre os vários negros da história, sendo até a última palavra dita no filme.

Como todo filme de Quentin Tarantino, a trilha sonora de Django Livre é muito bem trabalhada e de forma bastante variada. Em especial, quando visualizamos trajetos a serem percorridos: em cada cavalgada, a trilha sonora de fundo é elevada. A música vai desde os esperados acordes que remetem diretamente ao gênero Western Spaghetti, como também a uma quebra de expectativa, com hip hop tocando a todo volume e sem que isso pareça exagerado ou deslocado em cena. Algumas cenas são curtas, mas com tempo suficiente para se tornarem emblemáticas, carismáticas, arrebatadoras. Entre tantas, destaco a do primeiro treinamento de Django com sua pistola, em meio à neve e a um boneco de neve, e a transposição da cena, do treinamento para a prática (a cena por si só é empolgante, mas com a trilha de fundo, se torna épica) e também a faixa La Corsa, de uma tensão absurda para depois se transformar em um tema quase edificante (embora seu começo, reafirmo que é de pura tensão. Digo que lembrei do tema da aranha Shelob/Laracna, de O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei... mas divago)! Tarantino escolheu de maneira perfeita as músicas de Luis Enríquez Bacalov, e se não bastasse tudo isso, temos ainda Ennio Morricone na trilha, e nada mais precisa ser dito.

Django Livre se vale de seu ótimo elenco e com atuações primorosas. Christoph Waltz ganhou o Oscar em 2010 com Bastardos Inglórios e depois disso parecia se afundar em papéis secundários (Besouro Verde, Água para Elefantes) ou que de alguma forma, seja nas feições, no timbre de voz e outros, lembrava do sarcástico nazista Hans Landa. Aqui, novamente em parceria com Quentin Tarantino, sua atuação volta a ser magistral. Seu caçador de recompensas é de uma ‘falsa fala mansa’, com calma, de gestos e tom de voz sempre articulados, o que pode enganar algumas pessoas, que por consequência morrerão através de suas balas disparadas. Waltz imprime em seu personagem um caráter pleno de confiança quando a situação lhe é favorável, a ponto de entregar uma arma carregada na mão de negros acorrentados, tal sua tranquilidade que nada ali irá acontecer para si. Um segundo Oscar para Waltz não será uma surpresa, se assim acontecer. Em contrapartida temos Jamie Foxx compenetrado com seu Django, uma atuação a altura da jornada do personagem. De uma primeira imagem, de um negro surrado e cansado, percebemos que Django não tem até então algo pelo que lutar: é um escravo sem ter como reagir diferente disso, em um primeiro momento o protagonista nada tem o que fazer, já que sua esposa também ficou para trás, provavelmente sendo empregada, violentada ou torturada por algum capataz. Nisso a trilha sonora do protagonista-título é precisa quando ouvimos: “Django, você sempre foi sozinho? Django, você nunca amou de novo? O amor viverá... A vida deve continuar... Django, você deve enfrentar mais um dia...”. Mas isso aos poucos mudará, pois de um ser miserável, de um ser humilhado e chicoteado, de um negro farrapo humano, Django passará por uma longa jornada de transformação, até quem sabe reencontrar sua esposa, seguir sua vida, se tornar o gatilho mais rápido do sul. Essa construção do personagem é precisa, o roteiro de Tarantino vai lapidando aos poucos isso. E aos poucos também vamos observando que Django não quer mudar a história que vive, sabe que não pode acabar com a escravidão, mas sabe que pode e deve lutar até encontrar sua mulher, sua esposa de volta. Ele sempre fala por si só, ou quando abre uma exceção é para falar em nome dele e de sua esposa. Isso fica explícito quando em um dos vários ótimos diálogos entre Dr. King e Django, o primeiro pergunta: “vocês escravos acreditam no casamento? E a resposta: Eu e minha Esposa, sim.” Para esta composição do personagem, o figurino de Django também é fundamental, passando de roupas surradas, para uma roupa no mínimo pitoresca, e depois alcançando o tom verde e emblemático, de um personagem que ali já está mais confiante, ciente dos desafios e que irá encará-los, custe o que custar. E por mais que possa parecer deslocado em um velho oeste, o fato de Django ter óculos escuros é fundamental para, por vezes, tentar esconder suas reações de aflição, ansiedade e tensão, praticamente sempre ocorrendo quando o assunto em cena tem relação com sua esposa. Nesses momentos observamos closes, planos fechados nos olhos dele, a consternação com a humilhação alheia, tudo isso pode não transparecer claramente em Django, mas em seus olhos a verdade aparece. No coração dele sentimos que a revanche é seu desejo principal. Nos olhos dele, porém, o que vemos é dor e nada poder fazer.

A partir de parte de seu segundo ato em diante temos em cena um vendedor de escravos, Calvin Candie, em atuação precisa de Leonardo DiCaprio. ‘Monsieur’ Candie é daqueles personagens que com algum ator pouco experiente poderia soar superficial, caricato até. Aqui DiCaprio é dono da situação, é um ser habilidoso com a palavra quando assim se faz necessário, e insano quando também o for preciso. Se não bastasse seu domínio para com o personagem, o figurino e direção de artes e cenários atuam como de maneira única nesse aspecto. O paletó de Candie, os objetos de cena, tais como a tonalidade das paredes do ambiente e um curioso ‘apoiador de caveira’ (na falta de uma palavra melhor), todos os elementos são na cor vermelha, reforçando o perfil perigoso e sanguinário do personagem que DiCaprio interpreta. Calvin Candie é a antítese de Dr. King Schultz. Enquanto um é contra a escravidão, outro se diverte com ela. Enquanto um é um caçador de recompensas, outro vende escravos e fica extasiado em duelos sangrentos entre negros. Enquanto um é um mau perdedor, o outro é um vencedor abismal. Mas, assim como temos uma ‘dupla de mocinhos’, temos também uma ‘dupla de vilões’ e a contraparte de Candie é Stephen, interpretado de maneira arrebatadora por Samuel L. Jackson. Stephen é astuto em cena, a cada momento está atento a toda situação ao redor da casa do patrão Candie. E nisso é particularmente curioso observar que o quanto Stephen tem de astuto, o mesmo tem de preconceituoso: fica revoltado com a ideia de Django ter que dormir na “Casa Grande”. Sua raiva é tamanha que só após vários minutos de conversa entre Dr. King e Candie é que Stephen aceita a ideia de que Django não é um escravo (veja o filme e entenderá) e ele poderá ficar na casa do patrão, participando de jantares, dormir no local e outros. Um negro que cuida de suas empregadas negras, que as coloca no ‘forno’ quando tentam fugir, um negro que é extremamente desprezível, racista e nojento com alguém de sua própria raça. O preconceito não vem apenas de raças opostas e sim de suas próprias raças.

Aos que reclamam de uma característica bem particular do diretor-roteirista, em Django Livre temos uma narrativa plenamente linear. Não temos o fim sendo observado nos segundos iniciais, o meio no fim ou o começo no fim, aqui a história acontece conforme o tempo vai passando. A exceção talvez possa ser considerada apenas em alguns poucos flashbacks, que narram parte da história de Django. Nesse aspecto é importante ressaltar que o diretor de fotografia Robert Richardson foge daquela velha ideia batida de mostrar flashback em preto-e-branco, mostrando um tom colorido, mas levemente azulado, de forma envelhecida. De resto, a fotografia mantém uma paleta de cores que varia entre o tom mais amarelado, ressaltando o calor da região do Texas/Mississipi e o tom azulado, quando das passagens por montanhas, colinas ou lagos gelados.

Como não poderia deixar de ser, Django Livre tem sua violência: estamos falando de escravidão e de fatos que ocorreram naquele período, nas regiões citadas e em outros pontos dos EUA, e até do mundo. Nele vemos chicotadas em negros (e brancos), pessoas mortas através do ‘mais rápido no gatilho’, cães devorando negros, a chamada ‘luta de mandingos’ em que o vencedor é quem sobreviver e o confronto atual é apenas um entretenimento para quem olha (nesse ponto é preciso enaltecer os efeitos de som do filme, pois quando observamos esse tipo de confronto, a violência fica ainda mais destacada, quando podemos ter a nítida sensação de termos em cena músculos torcidos, costelas quebradas, soco após soco, cada golpe é ainda mais pesado e violento). E claro, muito sangue. Bem menos que em outras obras do diretor, mas ainda assim temos momentos de litros de sangue sendo jorrados na tela, para deleite dos fãs (nos quais obviamente me incluo). Para equilibrar tudo isso, momentos constantes de humor. A habilidade com que Tarantino lida com isso tem se tornado uma de suas marcas, a forma como que em momentos de pura tensão temos algumas piadas ou tiradas cômicas para trazer o riso para a plateia e os personagens (é bem verdade que em vários casos as risadas são nervosas, a tensão segue reinando a situação... mas não deixam de ser risadas). Entre elas, destaco a reunião de uma espécie de ‘pré Ku Klux Klan’ e a ideia estúpida de colocar sacos brancos (com furos) na cabeça.

As referências ao gênero Western Spaghetti estão espalhadas ao longo do filme, indo desde a já citada trilha sonora com Morricone até os zoom in e zoom out agradavelmente exagerados, relembrando filmes e seriados de décadas passadas. A roupa em tom esverdeado que Jamie Foxx utiliza em boa parte do filme remete a um ou mais personagens do mais famoso seriado de faroeste de todos os tempos: Bonanza. Em tempos atuais soa até como irônico olharmos que em Django Livre os personagens têm um código de honra praticamente comum entre a maioria deles: são homens de palavra. Não importa se o protagonista está sob a mira de dezenas de espingardas e outras armas. Se é dito que ele está seguro se soltar sua arma, ele não será apunhalado pelas costas. Essa coisa da palavra valer mais do que tudo é característica desse tipo de gênero e época, uma época que muitos não conheceram (e não duvido que isso cause estranheza para algumas pessoas que assistirem ao filme, pensando até que é uma situação impossível de acontecer, inverossímil e tudo mais). Além de tudo já citado, temos ainda participações especiais (leia-se pontas) em diversos momentos, onde a principal delas podemos dizer tranquilamente que seja a de Franco Nero encontrando com Django, em um breve diálogo sobre a pronúncia correta do nome do protagonista (um momento feito através de uma figura de metalinguagem, que mesmo que gere uma cena óbvia para os mais atentos e conhecedores do gênero, não deixa de ser engraçada).

Tendo a decisão arriscada de prolongar seu terceiro ato e nos apresentar um clímax com muito mais tempo de antecedência do que o habitual, Django Livre então nos surpreende novamente. Em um primeiro momento minha reação foi essa, de um terceiro ato mais longo que o necessário. Essa impressão é passada para trás quando observamos que a jornada de Django não terminou: Django não pode ter uma jornada finalizada de maneira simplificada. A transformação de um personagem ao longo de suas quase 3 horas é permeada por sentimentos de revanche, vingança, amor. A jornada de Django é feita de (entre outras coisas) sangue, cadáveres, fogo e pólvora (ou de bananas de dinamite, se preferir)!

Ex-funcionário de videolocadora e que nas horas livres passava vendo filmes de graça, Quentin Tarantino tem exibido o seu próprio trabalho em seus filmes e mesclado com homenagens que julga serem válidas. Se em Cães de Aluguel e Pulp Fiction observamos o gênero policial saindo do velho marasmo de histórias batidas e feito isso através de uma narrativa não linear, algo reforçado com maestria em Pulp Fiction, homenagem esta às revistas baratas e de histórias curtas, rasteiras. Em Jackie Brown a homenagem é ao blaxploitation, os filmes negros dos anos 70. Em Kill Bill Vol. 1 e 2 observamos as claras homenagens ao cinema asiático, ao tema da vingança, a Ennio ‘Fucking’ Morricone. Em Bastardos Inglórios observamos novamente a vingança, guerra, nazistas escapelados e Hitler fuzilado com prazer total da plateia. Em Django Livre então temos a bem-vinda e empolgante homenagem aos Westerns Spaghetti, aos duelos do mocinho contra bandido, a Morricone. Qual será a próxima ‘homenagem’ que Tarantino nos trará? Estou desde já no aguardo e sendo no mesmo disparo fulminante e sangrento de Django Livre, ficarei extremamente satisfeito!

OBS.: Há uma cena pós-créditos que, se olhada de forma isolada, pode soar como boba, mas que no contexto do filme ressalta ainda mais a jornada de transformação do protagonista, de negro surrado a pistoleiro destemido, ao gatilho mais rápido do Sul!

Poltronas 

5

Comentários

Comentar

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
CAPTCHA de imagem
Digite o texto exibido na imagem.