A Grande Muralha

imagem de Felipe
Enviado por Felipe em qui, 02/23/2017 - 02:13

É ruim. Mas tem piores.

É bom já começar esse texto indo direto ao ponto, pois o filme faz a mesma coisa (o que é um ponto positivo dele). O longa acompanha William (Matt Damon) e seu parça Tovar (Pedro Pascal) que são dois mercenários em busca de pó negro (pólvora, para os mais chegados) . Um dia, fugindo de uns caras malvados, os dois dão quase de cara com a muralha da China e o exército gigantesco que a protege. A partir daí eles são levados como prisioneiros e começam a entender o motivo de um exército tão grande e de um muro maior ainda: afastar os imigrantes. Não. Brincadeira. A ameaça tem o nome de Tao Tei que são uns bichinhos escrotos que surgem a cada 60 anos e atacam, devoram e ainda alimentam sua Rainha.

Num primeiro momento é possível notar a mão de Zhang Yimou (de “Herói” e “As Lanternas Vermelhas”) em “A Grande Muralha”. O uso das cores, enquadramentos malucos (o plano que acompanha uma das lanceiras enquanto ela salta é ótimo), mas pouco depois o filme descamba para a vala comum e se firma como mais do mesmo desse nosso cinema de ação/aventura atual. Na mesma barca tá o Matt Damon que sempre consegue passar credibilidade no que faz. Seja vivendo em Marte, seja chutando bundas como Jason Bourne, o cara sabe tornar tudo o mais crível possível. Inclusive aqui, lutando contra demônios/aliens na China. Isso não quer dizer que o personagem tenha muito recheio. Aliás, isso é uma constante no filme que insiste em forçar a barra com personagens prontinhos e, muitas vezes, que a gente já sabe o destino desde a primeira aparição em cena (seja traindo os demais, seja morrendo de forma heróica e blá blá blá).

Mesmo sendo mais um filme numa pilha de aventuras potencialmente esquecíveis, “A Grande Muralha” não perde tempo e,  como já citei, vai direto ao ponto e já nos leva para a ação central sem muita frescura. De um modo geral é um filme divertido, ainda que cheio de falhas. Passa rápido, tem atores carismáticos, visual bonitão, enfim, diverte. E mais um ponto contra talvez seja o 3D que reforça a artificialidade de alguns efeitos visuais, deixando tudo mais destacado (humanos e fundo verde) podendo tirar a atenção do que acontece na tela.

 

*Não é possível dar meia poltrona aqui no site. Mas a cotação correta seria duas poltronas e meia (ou duas poltronas e um banquinho).

Poltronas 

3

Comentar

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
CAPTCHA de imagem
Digite o texto exibido na imagem.