Comentar

imagem de Ghuyer

Inception

Enviado por Ghuyer em qua, 09/21/2011 - 14:11

Aqui no site pode ainda não ter ficado claro o quanto eu idolatro o cineasta Christopher Nolan. Tenho pretensões de fazer um artigo sobre sua obra completa, mas até lá, enquanto encontro competência para tal, fico apenas a soltar os mais diversos adjetivos de elogio à sua filmografia. Desde Following, seu primeiro longa (e não lançado no Brasil), até o mais recente e magnífico A Origem (Inception), Nolan sempre me conquistou como espectador.

O fato que quero comentar agora, no entanto, foge do plano normal de expressão e, consequentemente, recepção cinematográfica.

Todos que assistiram a A Origem, e provavelmente até aqueles que ainda não tiveram esse prazer, sabem do que trata o filme. Com o título literalmente traduzido como "inserção", o último trabalho de Nolan explora os sonhos. Tema sempre interessante, o conceito de sonho em A Origem é desenvolvido de forma a criar uma narrativa complexa e múltipla, desenvolvida em vários níveis de consciência. Com o risco de revelar alguma parte da trama, aviso sobre o mesmo antes de dizer que o mote da história é a tentativa de inserir um pensamento na mente de outra pessoa. Fazer uma inserção, uma inception, portanto. Antes de o protagonista, Cobb (Leonardo DiCaprio), afirmar que de fato há um modo de fazer isso, para espanto de seu colega e amigo Arthur (Joseph Gordon-Levitt), este havia sido categórico, negando a possibilidade de tal coisa. Conversando com o magnata Saito (Ken Watanabe), que havia sugerido a ideia, Arthur o convence da impossibilidade de inserir um pensamento na mente de outra pessoa com o seguinte argumento: "Não pense em elefantes. No que você pensa?"; "Em... elefantes.", responde Saito, surpreso. Arthur então fala que, desse modo, se pode sim colocar um pensamento na cabeça de outra pessoa, mas o problema é que ela invariavelmente vai saber que aquele pensamento foi sugerido por outra pessoa, frustrando a empreitada. É então que Cobb intervém dizendo que há outra maneira de fazer isso.

A inception que move todo o filme de Nolan é obviamente uma concepção ficional. A Origem é, antes de mais nada, uma ficção científica. Só que...

Agora sempre que alguém fala "Não pense em elefantes", sabem no que é que eu penso? Em elefantes? Não! A primeira coisa que aparece na minha mente é o rosto de Joseph Gordon-Levitt dizendo para Ken Watanabe não pensar em elefantes.

Ou seja, Nolan realizou uma inception de verdade.

Obs: ok, não é uma inception stricto sensu, uma vez que eu sei que aquela imagem mental foi sugerida por outra pessoa (no caso, o próprio Nolan), mas isso pouco invalida a emoção da coisa.

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
CAPTCHA de imagem
Digite o texto exibido na imagem.